Visão

A diversidade de conhecimentos técnicos das diferentes entidades que constituem este grupo, as suas visões de sustentabilidade, abordagens de atuação, âmbitos geográficos de atuação e experiência, foram a base de construção desta rede. Assim, asseguramo-nos que a estratégia definida assenta em pilares sólidos pois estão envolvidos os melhores dos melhores em cada uma das áreas de trabalho.

Nesse sentido, a rede irá trabalhar em três vertentes:

No aumento de conhecimento de base, apostando na Investigação e Desenvolvimento. Esta vertente passará pela caracterização e mapeamento de barragens existentes, na dentificação de hotspots de biodiversidade, e mapeação de no go areas. Para isso, teremos que estudar os caudais ecológicos, procurar medidas de adaptação e estudar alterativas.

Contamos com a ajuda dos principais polos académicos da região, mas também a nível nacional, no que concerne os aspetos jurídicos e energéticos.

Por outro lado, iremos também trabalhar no sentido de influenciar as decisões políticas. Sobretudo no que diz respeito às políticas ambientais destinadas à gestão dos recursos hídricos, no âmbito da Directiva do Quadro da Água.

E por último, iremos criar sensibilização. Queremos envolver todas as partes interessadas na gestão de recursos hídricos nos territórios caso de estudo e informar a população quanto à importância dos rios livres, tanto para as pessoas, como para os ecossistemas.